domingo, 7 de março de 2010

(Im)prensa no trabalho!

Sempre manifesto minhas birras em relação aos órgãos que dirigem informações e, por isso, formam a opinião pública, o 4º. Poder.

Às vezes vejo coisas que me revoltam. Numa delas, no Globo Esporte, reproduziram o dizer do Zagallo de forma pouco honesta. Eu o vi falando depois de um jogo da seleção e vi o jornal no dia seguinte, percebi na hora que eles transmudaram a fala do Velho Lobo.

Na semana seguinte, o Professor reclamou em rede nacional, de forma irônica , da mudança de “contexto”(do qual não me lembro o tema) ... acho que foi na mesma entrevista do “Vocês vão ter que me engolir...”.

Isso ocorreu nas eliminatórias da Copa de 1998, acho ... desde então, vejo a imprensa com ressalvas máximas. Procuro obter informação de variadas fontes, melhor se forem inimigas, e tiro minhas conclusões.

Hoje, vendo Fantástico, aplaudi de pé a iniciativa das reportagens sobre as construções residências em cartões postais.

Folou principalmente das APP`s (áreas de preservação permanente - topos de morro; lagos artificiais; beira de mar; margem de rios; etc) ... depois rolou uma ponderação sobre má ocupação do solo, com o notório sobrecarregamento das márgens dos rios da capital paulista.

Foi verdadeiro serviço de educação ambiental. Demonstrou o que determina a lei em relação à proteção dos patrimônios ambiental, público, histórico e cultural, o fez de forma leve e didática.

Incutiu algo bacana na cabeça da galera... mas em seguida...

Mandaram mal, muito mal com nossa cidade de Vitorinha.

Ao exemplificarem como é o tratamento e destinação de resíduos eletrônicos provenientes dos bens de uso diário, o lixo eletrônico, a imagem da cidade ficou mal.

Por azar, algum funcionário mal orientado atendeu ao telefone e informou que esse resíduo é destinado a um “lixão [...] lá pelos lado de Cariacica...”.

Pior, o comunicado da prefeitura não esclareceu bem, não deu uma informação precisa, ao menos do que constou da TV.

Nessa segunda parte o Fantástico manteve a tradição da imprensa, honrou a camisa, e passou uma meia-verdade, ou inverdade, como algo absoluto.

Digo isso sem certeza absoluta, mas pelo que sei Vitória é uma cidade ambientalmente bem sucedida.

Tem pioneirismo na questão de criar Secretaria Ambiental, mantém a cidade limpa, produz ações de educação e etc...

Em relação à destinação do lixo, tenho 99% de certeza de que é feita corretamente.

E quando se fala em “Cariacica”, só pode estar a se falar da Central de Tratamento de Resíduos Sólidos ou Aterro Sanitário, que existe lá.

Senhores, existe uma singela diferença entre lixão e uma Central ou um Aterro desses...um é lugar qualquer, sem controle, esculhambado, sem nada, os outros são lugares ambientalmente licenciados e preparados para receber resíduos e efluentes, restos, lixo.

Bem, gente, o infeliz do funcionário público, disse lixão, mas era para ter dito que era um Aterro, pô. Tudo certinho, aqui em Vix rola tudo nos conformes.

Essa é uma informação pública, de fácil acesso, a Imprensa poderia ter esclarecido sem sequer consultar os representantes municipais, que também mal informaram.

É galera, amanhã reunião bem cedo no Gabinete do Secretário, ou do Prefeito, hein!!

Continuemos a exaltar nossa Vitória!!









MÚSICA A CALHAR:
“Rádio Mundo no ar/ Em um mundo melhor/ Ver a hora de chegar/ É ser humano e acreditar/ Reciclem o novo ciclo da terra” ("Pedestre"– Pé do Lixo, de Vitória, rsrs...).

É constrangedor ter essa posição politicamente correta...

5 comentários:

Igor disse...

a gente que ta de fora ve as coisas de uma forma romantica. explico: medico salva vidas, jornalistas sao os bastioes da verdade, ADVOGADOS PROMOVEM A JUSTIÇA!!! mas na verdade todos sao profissionais, empregados, com tarefas, demandas que, se seguido o modos operandi do capitalismo, nao dao conta do que tem pra fazer... entao saem essas porcarias que voce citou, pq o tempo eh curto e eh preciso fechar a porra da pauta... to certo ou nao to langao!??!!?

Vinícius Rocha disse...

Pertinente sua birra com a imprensa, mas ó, te cuida,que esse seu bairrismo pode derrubar sua credibilidade. Tá parecendo até jornalista!

Vinicius Langa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

"Mais de 60% do lixo do país não tem destino adequado e causa doenças. Estudo que acaba de ser divulgado pelo Ministério das Cidades, com dados de 2007, pesquisados em 291 municípios com mais de 250 mil habitantes, mostra que a situação é grave. Se houve pequeno avanço no número de municípios em que funciona coleta regular de lixo, todo esse trabalho fica comprometido pela destinação que é dada ao material recolhido. Nada menos do que 63% de todo do lixo recolhido pela serviço de coleta das prefeituras vai para depósitos totalmente fora de condições de recebê-lo. São locais sem a infraestrutura adequada para conter a deterioração do material orgânico, o vazamento do chorume e evitar a contaminação dos arredores e do subsolo." (parte do Editorial do Estado de Minas, em 20-10-2009)

sobre o lixo eletrônico então...é grave a situação de depósitos preparados, em todo o Brasil, para receber este tipo de material. A reportagem deixou um alerta, achei válido! Mas, claro, concordo com sua crítica.

o lixo é "uma questão de saúde pública com toda a complexidade das causas que dependem do envolvimento de cada cidadão, mas que não têm como avançar sem a liderança e a iniciativa do poder público. Uma das pontas do problema é a falta de uma regulamentação moderna e que defina claramente não apenas os papéis de cada um, como também determine o fim de certas práticas superadas: a manutenção dos lixões, a queima de resíduos a céu aberto ou seu derramamento no leito dos rios." (idem)

Em Vitória, como muitos sabem, o bairro São Pedro é fruto de um Aterro Sanitário (que é o tipo de aterro mais barato!). O despejo de lixo no manguezal, com a idéia de aterrar a área, transformou-a em um grande depósito de lixo urbano a céu aberto. O ‘lixão’ então virou a fonte de renda e alimentação de inúmeras famílias – o que mostra um total descaso do governo com os verdadeiros fins dos programas aplicados. A idéia do PROMORAR era uma, a finalização tornou-se outra: famílias ainda mais miseráveis, sobrevivendo do resto e em meio a qualquer tipo de lixo, inclusive hospitalar, sujeitas a doenças, alienadas num mundo completamente inimaginável por quem não vê o problema e, cada vez, com menores possibilidades de mudarem isso.
Para se ter uma idéia, somente em 1989, 11 anos depois do primeiro aterro, é que foram divulgadas as primeiras fontes, em um relatório da Prefeitura Municipal de Vitória, com informações que caracterizam certa preocupação ambiental que as ocupações desencadeariam! O lixão não mais existe hoje, mas o cheiro está lá no bairro...
Não consigo imaginar uma solução imediata para estes problemas estruturais e para melhorias nas condições de vida das pessoas. Mas, eu, ainda, tenho esperança no homem. Ainda acredito que é exatamente este abismo entre pessoas diferentes que pode nos mostrar uma enorme fonte de aprendizagem. Ainda acredito que o homem pode e sabe enxergar o mundo de maneira mais justa... mas o que eu não sei é até quando este mesmo homem vai continuar fingindo não enxergar.

desculpe a extensa invasão! Empolguei!

erickaduda disse...

Vixi, quanto tempo sem vir aqui...

Quanto à reportagem do Fantástico sobre o uso e ocupação do solo com finalidades residenciais, achei perfeito. Aliás, fazia muito tempo que não via uma matéria de teor tão importante nesse veículo de comunicação. Pena que muitas pessoas não deram muita importância e não entenderam a real relevância da coisa. E a relevância, acrescento, não é só ambiental. Ela é espacial. Ela é humana. Ela é física, e até estética. Interessante como eles abordaram as legislações... E como simularam o absurdo da prepotência humana. Show de bola!
Quanto ao lixo, sei que não é assim essa brastemp toda, mas tb sei que o não existe todo esse descaso que foi retratado, mas como vc mesmo ponderou, não podia a globo ficar totalmente "imparcial".