sábado, 22 de novembro de 2008

Simples Birra

Lennon à época do lançamento do álbum Revolver e da polêmica (1966): esse rapaz é um mal elemento!




Quem já me conhece um cado sabe que eu torço o nariz para algumas profissões, principalmente para os entendedores de computador (as empresas que produzem anti-vírus são as que criam os vírus, ninguém tira isso da minha cabeça), e os jornalistas.

Pra mim jornalista é uma racinha sinixxxxtra, manipulam a opinião pública de acordo com seus interesses, não há nada mais sórdido.

Há quem diga que, além do Legislativo, Executivo e Judiciário, a Opinião Pública é o quarto Poder (há quem diga que o Ministério Público é o quarto Poder...). Faz sentido, se todo o Poder emana do povo, a opinião deles deve ser poderosa... por isso, quem manipula esse "Poder", de acordo com seus interesses, é digno de medo.

Essa é a imprensa.

Ontem foi noticiado algo interessante: John Lennon foi “perdoado” pelo Vaticano por ter dito que os Beatles eram mais populares que Jesus Cristo.

Willian “Cardoso Serra” Wack disse, como premissa, que umas das mais famosas frases do Séc. XX havia sido perdoada: “Os Beatles são mais populares que Jesus Cristo”.

Ora, se isso é uma premissa, o Wack sofismou, pois Lennon fez tal afirmação.

O que foi feito pela imprensa norte-americana, contra o Herói da Classe Trabalhadora Inglesa, foi uma campanha de “desprestígio”.

O que Lennon disse, naquela época, e que tem sido reproduzido, ao longo dos anos, TOTALMENTE FORA DE CONTEXTO, é que a juventude, cada dia mais, tem se apegado menos a valores Cristãos e utilizou os Beatles como um exemplo. Ele poderia (palavras de Lennon) ter utilizado o exemplo da televisão, e hoje, poderia se falar em Raves, Micaretas ou BBB.

Lennon não mentiu naquela época. Falou verdade e foi crucificado (!!) por radialistas de meia idade, do centro sul norte-americano (nossa, quantas direções!), de forte tradição Protestante.

Foi um gancho. Foi uma saída para banir os Beatles dos EUA. Assim como Elvis Presley se uniu a Nixon para fazer mais tarde (“Os Beatles eram nocivos para a juventude americana”), ou ainda, o próprio FBI e CIA contra Lennon nos anos 70.

Não é o Vaticano que tem que perdoar Lennon por algo que ele não disse. Desconheço manifestações Católicas a respeito, mas sei que os Protestantes sim, chiaram um cado, acho que essa galera que pegou mais pesado (promoviam queima de produtos dos Beatles, que acabaraiam sendo re-comprados pelos jovens - e tome din-din).

No caso, acho que é a imprensa que tem que fazer sua mea culpa (sonha Marcelino...), pela falta de ética e oportunismo em por o maior gênio da música do Século XX numa situação complicada, que, aliás, o engrandeceu.

Esclarecer, né? Mas nunca...

Se o Vaticano se pronunciou, reconhecendo a grandeza dos Beatles e de Lennon, ponto pra minha religião.

E mais, se eu uso um espaço público para manifestar e defender as idéias de meu interesse, eu tenho que concordar um pouco com a imprensa. Só não ganho dinheiro com isso, ainda!

Ah! Eu não comungo com 100% das idéias de Lennon não, tá, gente... nem do Vaticano, e muito menos de William Wack.







MÚSICA A CALHAR:
“I don't believe in Jesus; I don't believe in Kennedy; I don't believe in Buddha; I don't believe in Mantra; I don't believe in gita; I don't believe in yoga; I don't believe in kings; I don't believe in Elvis; I don't believe in Zimmerman; I don't believe in Beatles; I just believe in me…” (God – John Winston Lennon)

12 comentários:

Karina disse...

Bom, como pertencerei a essa classe mixiriqueira de joranalista daqui uns dias..terei que protestar...
Não seja assim tão cruel.....a imprensa também não é um vampiro sanguessuga...o ímportante é saber escolher veículos de comunicação com mais credibilidade e mesmo assim é válido filtrar as informações de forma mais sensata possível.
E outra, de sinistro(negativamente falando) essa raça só tem mesmo o salário...
Ah, e aposto que em um daqueles testes de aptidão, o doutor descobriria uma segunda profissão..e falo sério..um colunista talvez!

Aline Biancardi, disse...

Desculpa, mais a imprensa é um vampiro sanguessuga sim, é nojento o que as emissoras fazem (principalmente aquela , aqueeeeela que não precisamos nem citar o nome) o sensacionalismo, o poder de usar a imagem, de usar o sofrimento, a angústia, culpar, apontar, declinar ou dar ascensão, só pra ter audiência, fingir que se preocupa com o sofrimento de uns e de outros, da tal Eloá, ou culpando o casal Nardone. Isso tudo para manter os pontos nas alturas e assim poder cobrar preços absurdos nas inserções publicitárias (QUE A DO JN É A MAIS CARA DE TODOS OS PROGRAMAS DA EMISSORA, EM TORNO DE 150 MIL POR 1 INSERÇÃO DE 30 SEG. {preço de tabela}) ou vcs acham que a essa emissora vive de pontos de audiência ou melhor de “Lindenbergs”? Pois é, minha gente, ninguém lembra do menino João que foi arrastado por 9 km (se não me engano) e foi um bafafá, alguém hoje, lembra do sofrimento da mãe que perdeu o filho pra sempre e que a TAL EMISSORA fez um auê? NADA! O NEGÓCIO É VENDER. E LENNON FOI MAIS UMA VITÍMA DESSA MESQUINHARIA!

Culpo também o Vaticano, vem cá, quem é o VATICANO? Sou católica, mas acho a religião deprimente, desde quando catequizava (ou melhor: usavam a famosa LAVAGEM CEREBRAL) aos índios, pobres coitados. Eles são os melhores pq? como assim eles perdoam alguém, se eles mesmos batem na mesma tecla, dizendo que o único que tem poder de perdão é DEUS, ele é o IRMÃO mais VELHO dele?

Não estou aqui pra dizer quem está certo ou errado e nem que Lennon foi o melhor do mundo. E sim pra expressar só um pouco da minha fúria desse sensacionalismo hipócrita em que vivemos.

OBS: Agora a emoção é a chuva (muita chuva, diga-se de passagem). E a culpa mais uma vez é do governo, que não faz nada pra melhorar os centros urbanos. E não de nós, que não percebemos o quanto estamos acabando com o nosso MUNDO.
E vamos que vamos, até quando? Vai saber!

tenho dito

Aline Biancardi, disse...

tentei resumir...juro!

amei o post

beijo

erickaduda disse...

Demorou postar algo do gênero (não sobre imprensa, mas sobre os ídolos)... Sobre a imprensa, o quarto poder, o 'manipulador' de massa, o "formador de opinião" (sim, leia-se impositor, forma o que convém), vide: "vc pode ter 3 opiniões: a favor, contra, ou ainda não leu a gazeta" (e olha que se trata apenas de um jornaleco de uma semi-capital brasileira, mas é o maior do estado rs). Os meios de comunicação podem sim ser usados, digo usados e não manipulados, para levar acesso à informação, de forma democrática e universalista, porém, quando usada de forma ética. Essa é a dita mídia de esquerda. O que não existe é o falso moralismo que se põe ao dizer que se leva informação da forma mais sensata e ímparcial possível. Oras, neutralidade não existe! E que contradição... como pode formar opinão sendo imparcial? Só não vamos generalizar né advogado? Pra muitas outras classes, a sua é muito mal vista tb.. existem os bons e maus profissionais! O problema é que a grande maioria se vende pela aparência... mais uma vez, culpa da mídia que divulga a cultura imposta!
Quanto à Lennon, acho que nem mais estremece no túmulo... rs. E salve o papa! (que me perdoem os católicos, mas grande coisa seus grandes pronunciamentos, ainda mais consolidado pela mídia.. puro marketing rs).

pennylaneblog disse...

Opa! A culpa é da imprensa ou de quem dá audiência? Não é por nada não, mas a emissora de TV é uma empresa interessada no lucro, como qualquer outra empresa, sendo assim, ela vai veicular coisas que vendem, ou vcs acham que eles ficariam como urubus em cima dessas notícias "reality show" se geral não tivesse com a TV ligada assistindo?

osly disse...

cuz we aal shine on!!!!!!!!

buslases;;; não sei o que isso sinfica
nem voce

Anônimo disse...

Várias coisas:

O texto tá excelente.
Já que os ânimos se exaltaram por causa da profissão em questão, o texto foi (ou deveria ter sido interpretado dessa forma) super esclarecedor qto ao fato de que foi o jornalista da época da entrevista com Lennon e alguns jornalistas ao decorrer das décadas que deram outra conotação ao que o cara falou. Ponto. Dúvidas?

A profissão é LINDA e super IMPORTANTE. Mas existem os "meia-boca", sim. Assim como em t.o.d.a.s as outras profissões. Só se ofende quem não entende. E quem não entende, não deveria ser, principalmente, jornalista.

O erro foi ao generalizar. Mas deu pra entender tb... Alguns jornalistas é que geralmente criam caso à toa mesmo. É uma "veia" natural da profissão, e os que se dizem contra isso, se contradizem na própria confusão.

Cabe ao povo assistir o que quiser, é só ter consciência que isso ou aquilo não é assim essa hipérbole toda ou um fato que deve ser passado tão rapidamente.

Dá perfeitamente pra transmitir uma mensagem (reportagem) sem colocar uma opinião. Perfeitamente.
Putz, perfeitamente!

Católico, mas a religião é deprimente e "quem é o Vaticano?".
VEM CÁ digo eu. Católico? Li bem? Acho que não, hein. Onde já se viu...

O Vaticano pode perdoar essa afirmação de Lennon, sim. Que coisa bonita de se ver. Msm não tendo nd a ver com isso. Se o Vaticano não tivesse se pronunciado, seria acatado como se não tivesse perdoado essa afirmação - que de fato, fere os participantes mais ativos da igreja, os fiéis com o real significado dessa palavra - e falta de perdão e Igreja (Deus) não combinam. É preciso lembrar isso aos católicos que não sabem nem o que o Vaticano é, que não entendem de perdão e sacrificam o presente por causa de uma história que já era. Que inclusive o mesmo Vaticano já pronunciou contra e que se mostra radicalmente diferente do que foi essa época de soberba e prepotência do clero
da colonização e da idade média.

Os pontos de vista se cruzaram. As coisas se misturaram e o texto mesmo ficou de lado. O fato é: Lennon foi perdoado. Jesus e o Papa ouvem Beatles!

Victor Athayde disse...

Como havia dito, simples birra...
de todo o lado.
O Anônimo falou tão bem, deveria se revelar...
Obrigado pelos comntários, meninas. Jesus e o Papa ouvem Beatles, e o povo gosta mesmo é de um terrorismo.

erickaduda disse...

é.. no final é tudo uma questão de ponto de vista.

Anônimo disse...

amigo, não leve os beatles tão a sério assim. eles disseram o que disseram. e ponto.

essa coisa de "valores cristãos" veio depois, pq ele precisava mascarar uma "frase-brincadeira" que ninguém queria ouvir, apenas isso.

ninguém deixa os caras serem felizes. nem vc, dizendo que eles não disseram o que disseram.

ah, assista o documentário Imagine. é bom! :)

Victor Athayde disse...

não levo nem os beatles e muito menos a imprensa tão a sério.
já vi imagine e, bixo, se tem algo que eu sei da história, é dos beatles.
veja o anthology, se quiser, eu tenho. lá têm as explicações.

Lela disse...

o mais legal disso tudo é ouvir o que vale à pena... e beatles é um excelente começo!

p.s.: a vida sem açúcar nem é tão difícil... rs